sábado, 11 de setembro de 2010

para quem entende

Hoje prefiro ficar com aquilo que eu não sei dizer.

Enfim reconhecer que as palavras nunca sabem o quanto pesam. Mesmo que eu grite ou sussurre/chore ou sorria, com toda a minha alma.
(...)

Ainda assim, só ouço o silêncio:
- Uma falta de sons que canta na minha cabeça.

Um comentário: