quinta-feira, 30 de março de 2017

vão

você diz que não dá pra saber de quantos nãos é feito um sim. de quantas subidas uma chegada. de quantas mortes uma vida. mas de repente eu sei bem onde dói quando a chuva cai e não há um teto. a gente sabe bem quando sente a chuva na pele. quando ela nos seca por dentro. quando a morte toma forma – e os nãos caem do alto. de repente a gente sabe tudo: 
porque o mundo é aqui dentro

sábado, 18 de março de 2017

2.8

com as palavras, é como se tivesse dito tudo. já as usei de tantos modos, desperdicei quantos sentidos, arremessei-as com tal força pra afogar num rio fundo. pois que não digo mais com elas:: agora é gesto:: no escuro apenas olho pro infinito – é o que diria em mil palavras. canto no silêncio dos meus medos. grito como nunca tão serena. me encolho de uma tal felicidade. sem dizer um ai sequer, escrevo o livro dos meus dias
muda
então inteira