quarta-feira, 12 de março de 2014

a cura

minha terapia, preciso e quero tê-la em meus escritos, minha alma se curando com palavras, dessas que brotam de dentro, alegres ou tristes, tão internas que se confundem com a própria dor, gritando abafada pra sair, e ter um colo, um ombro amigo, um beijo, um sopro, um vento ameno, um merthiolate bem vermelho pra ir pintando a dor de cor, e ir borrando a solidão, e colorindo os medos, sem medo de ser louca, e livre, e terapeuta de si mesma, como as palavras e os pontos, que nos libertam lá e cá, no divã do dia a dia, e nos definem para sempre

domingo, 9 de março de 2014

além

na liberdade do amor
há o peso
de ser
simplesmente tudo
o que o outro
precisa